Subscribe Us

header ads

Meninos da capa de 'Clube da Esquina' processam Milton Nascimento e Lô Borges


Foto: Reprodução
Antônio Carlos Rosa de Oliveira (Cacau) e José Antônio Rimes (Tonho), que na infância estamparam a capa do disco “Clube da Esquina”, em 1972, estão processando Milton Nascimento, Lô Borges, a gravadora EMI e a editora Abril.

De acordo com informações da Folha de S. Paulo, a dupla, que passou 40 anos sem saber que estava em uma das capas de disco mais icônicas do país, entraram na Justiça em 2012 e pedem R$ 500 mil por danos morais e uso indevido da imagem. O processo tramita no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Segundo a publicação, Tonho e Cacau entraram com o processo em dezembro de 2012, após terem sido localizados pelo jornal Estado de Minas para uma reportagem que recriou a capa do álbum.

“Nunca soube disso. Foi ela [a jornalista, Ana Clara Brant] que me descobriu”, contou Tonho. “Fui correndo no advogado e contei a história todinha. Acho que eles não podiam ter feito isso comigo. Poderiam ter avisado meu pai ou minha mãe. Não ajudaram em nada”, acrescentou.

À Justiça, a defesa de Milton Nascimento e Lô Borges alega que o prazo para a prescrição de indenizações deste tipo atualmente é de três anos e diz que não era de responsabilidade dos artistas a “publicação das fotos nas capas do LP e CD”. Os advogados dizem ainda que os músicos “foram contratados [pela gravadora] somente para interpretar canções e não para produzir, fabricar e comercializar exemplares desses produtos”.

Já a EMI pede a citação de Ronaldo Bastos, um dos artistas que atuou com o Clube da Esquina, pois alega que em contrato assinado em 2007 ele cedeu à empresa os direitos do material gráfico do disco. A Abril, que reeditou o álbum em CD no ano de 2012, disse ter autorização da Universal - que incorporou a EMI -, para reproduzir a capa.

A EMI defende ainda que o valor cobrado por Tonho e Cacau é astronômico e que a capa não viola o direito individual da imagem, já que está “totalmente desvinculada” de suas imagens atuais. A gravadora diz ainda que os males alegados pela dupla “não são capazes de trazer qualquer sofrimento moral”.

Fonte Bahia Noticias

Postar um comentário

0 Comentários