Subscribe Us

header ads

Ministro fala quando ‘Renda Brasil’ deverá ser criado para substituir Bolsa Família.



Cerca de uma semana atrás, mais exatamente no dia 8 de junho, o atual Ministro da Economia, Paulo Guedes, revelou algumas informações sobre como o governo de Jair Bolsonaro pretende criar um programa de renda mínima permanente.
O programa deverá ser criado após a pandemia e poderá de chamar ‘Renda Brasil’. O plano é que o mesmo seja mais amplo que o Bolsa Família, ou seja, mais cidadãos brasileiros poderão receber um auxílio financeiro através do novo benefício social.

Essas informações foram formalizadas durante o encontro. Além de outros parlamentares, estavam presentes o ministros da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e da Casa Civil, Walter Braga Netto.
Com a novidade, alguns trabalhadores informais se sentem mais esperançosos sobre o futuro. É o caso de Lucas Santos, vendedor ambulante: “com a chegada da pandemia, as venda, que já não eram muitas, caíram bastante. Se esse novo programa realmente for aprovado, poderemos garantir pelo menos o pão de cada dia, até as coisas voltarem ao normal.”

Ideia central do ‘Renda Brasil’

Na opinião de especialistas, a ideia do governo federal é estabelecer um programa que atenda aos mais vulneráveis; incluindo os informais beneficiários pelo Auxílio Emergencial de R$ 600 durante a pandemia. Com a base de dados criada pelos cadastros de milhões de brasileiros no Auxilio Emergencial, a ideia do novo programa de renda permanente ganhou força e se tornou mais plausível.
E não menos importante, é ter apoio para acabar de uma vez com a marca “Bolsa Família”, que, querendo ou não, ficou conhecida como uma bandeira dos governos petistas e ainda sustenta-se na gestão atual.



Apesar de ter deixado claro que o programa ainda está “em elaboração”, e por conta disso não foram revelados mais detalhes, Guedes fez questão de apontar que uma das ideias mais consolidadas é a de estabelecer “gatilhos” para estimular que os beneficiários pelo programa busquem qualificação e emprego.

Fonte N1

Postar um comentário

0 Comentários