Subscribe Us

header ads

Perito ouvido por rádio diz que Rafael Ramos falou 'macaco' para Edenilson

 





Rafael Ramos , do Corinthians, e Edenilson, do Internacional, discutem em partida do Brasileirão

Imagem: Silvio Avila/Getty Images




O perito judicial Roberto Meza Niella, especialista em leitura labial, afirmou que o lateral Rafael Ramos, do Corinthians, chamou Edenílson, meio-campista do Internacional, de macaco — a injúria racial aconteceu no empate em 2 a 2 entre as duas equipes, no último sábado (14), no Beira-Rio.


"Eles estão de frente para a câmera e é possível ler o posicionamento dos lábios do Ramos. Podemos identificar de forma tênue a frase que todo mundo está dizendo, que é a palavra "macaco". E vem na sequência um palavrão que não fica muito claro na definição dos lábios dele. Temos que tomar esse cuidado, mas me parece que é 'do caral**'. A frase completa seria macaco do caralh**", afirmou em entrevista ao programa Timeline da 'Rádio Gaúcha Zero Hora'.



Roberto é o mesmo perito que analisou a denúncia do meia Gérson, do Flamengo, contra Índio Ramírez, do Bahia, em 2020 — ele não está envolvido no caso de Edenílson. O ex-jogador rubro-negro acusou o colombiano de ter dito: "cala a boca, negro". O caso foi arquivado pelo STJD 'pela insuficiência de elementos probatórios'.


A análise oficial sobre o caso envolvendo Rafael Ramos e Edenílson só virá por meio do trabalho do Instituto Geral de Perícias (IGP). Não há prazo para a conclusão da análise.


O perito entrevistado pela GZH detalhou a forma que concluiu que o jogador português realmente cometeu uma injúria racial contra o atleta do Inter.


"Cada som da nossa fala tem características articulatórias e fonológicas muito particulares, o que permitem, dependendo da qualidade da imagem, identificar o que a pessoa diz naquele determinado momento. Tivemos acesso a todos eles e fizemos uma análise passo a passo, quadro por quadro, daqueles vídeos para poder determinar o que foi dito pelo jogador do Corinthians", explicou.


Roberto de Andrade, atual diretor de futebol do Corinthians, afirmou que o lateral contou no vestiário que disse: 'mano, caral*ho'. Meza Niella descartou essa versão dita pelo dirigente alvinegro.


"No posicionamento dos lábios é completamente diferente. Não existe nenhuma possibilidade dele ter falado a palavra 'mano'. Nos lábios dele são bem claros nos fonemas quando fala a palavra macaco", concluiu o perito



Fonte Uol 

Postar um comentário

0 Comentários