Subscribe Us

header ads

Brasil investiga quarto caso suspeito de varíola dos macacos

 


Casos de varíola dos macacos estão sendo investigados no Brasil e ainda intrigam cientistas



Imagem: iStock


Por UOL

O Brasil investiga quatro casos suspeitos de varíola dos macacos. Um paciente de 16 anos, morador de Porto Quijarro, na Bolívia, que está internado e isolado em Corumbá, em Mato Grosso do Sul, é quarta pessoa a apresentar algum sintoma da doença no País.


Apesar das investigações em curso, não há confirmação oficial da doença no Brasil. Além do caso suspeito no Centro-Oeste, há duas pessoas monitoradas na região Sul (Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e uma no Nordeste (Ceará).


Segundo o Ministério da Saúde, 23 países já confirmaram 333 casos de varíola dos macacos em humanos.


O caso do Ceará é de um morador de Fortaleza que apresentava sintomas similares aos da doença: febre, fadiga, dor de cabeça, dores musculares. Em Santa Catarina, o caso suspeito é de uma mulher que apresentava também erupções cutâneas. E no Rio Grande do Sul, um viajante de Portugal está sendo monitorado em Porto Alegre.


Sobre a doença


A varíola dos macacos é uma zoonose viral, isto é, uma doença infecciosa que passa de animais para humanos, causada pelo vírus de mesmo nome (varíola dos macacos). Este vírus é membro da família de Orthopoxvirus, a mesma do vírus da varíola, doença já erradicada entre os seres humanos.


A varíola dos macacos não se espalha facilmente entre as pessoas, mas pelo contato muito próximo e direto com um animal infectado. Apesar do nome, acredita-se que os roedores sejam o principal reservatório animal para os humanos, com outros indivíduos infectados por meio das secreções das lesões de pele e mucosas ou gotículas do sistema respiratório.


A transmissão pode ocorrer também pelo contato com objetos contaminados com fluidos das lesões do paciente infectado. Isso incluiria materiais como toalhas ou lençóis usados por alguém doente.A varíola dos macacos tende a ser leve e, geralmente, os pacientes se recuperam em algumas semanas sem tratamento específico, apenas com repouso, muita hidratação oral, medicações para diminuir o prurido e controle de sintomas como febre ou dor.

Postar um comentário

0 Comentários