Subscribe Us

header ads

Domicílios ainda não recenseados devem ligar para o Disque-Censo 137


 O GIRASSOL




A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer telefone fixo ou celular todo os dias da semana das 8h às 21h30. 

 

 

 


Os moradores de domicílios onde ainda ninguém respondeu ao Censo 2022 devem ligar para o Disque-Censo 137, que passa a atender a todos os estados do país. O serviço será disponibilizado de forma gradativa nos municípios de acordo com o andamento da coleta em cada local. Para saber se o Disque-Censo está disponível no seu município, acesse o link (https://censo2022.ibge.gov.br/pecas-de-divulgacao/disque-censo.html).




A ligação é gratuita e pode ser feita de qualquer telefone fixo ou celular todo os dias da semana das 8h às 21h30. Com mais de 80% da população recenseada, a etapa final de coleta deve ser agilizada com o atendimento telefônico, que conta com 120 agentes censitários de pesquisa. A coleta do Censo começou em agosto de 2022 com recenseadores do IBGE visitando todos os domicílios.




Lançado em 30 de novembro no Piauí e em Sergipe, dois estados onde a coleta se encontra em estágio final, o Disque-Censo 137 é inédito na história dos censos demográficos do IBGE. O serviço já recebeu mais de 430 chamadas até 23 de dezembro. O 137 é um telefone disponibilizado ao IBGE pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e configura um serviço de utilidade pública. As ligações são recebidas por atendentes de uma central de atendimento específica para esse serviço. Para o atendimento, o IBGE conta com 120 agentes censitários de pesquisa por telefone, trabalhando todos os dias (incluindo fins de semana e feriados), das 8h às 21h30.


“Com o Disque-Censo, o IBGE pretende oferecer um serviço à população de forma que qualquer pessoa que não tenha sido recenseada reivindique esse direito e não fique de fora do Censo 2022, garantindo uma cobertura ainda mais precisa do território”, afirma a diretora-adjunta de Pesquisas do IBGE, Maria Lucia Vieira.


Ao receber a ligação, os atendentes pedem que o morador se certifique de que nenhuma outra pessoa que reside no domicílio respondeu ao Censo, pois basta que um morador forneça as informações por todos. Caso o morador confirme que ninguém no domicílio respondeu, a ligação prossegue e o atendente solicita o endereço para verificação. A partir da conferência no banco de dados, o atendente informa ao morador se o endereço consta como visitado ou não. Se o domicílio tiver sido visitado, a informação é passada ao morador e o atendimento é encerrado. Caso o endereço não tenha sido visitado, o atendente informará que um recenseador irá presencialmente ao domicílio.


“Nenhuma informação do questionário é passada ao solicitante, tampouco é mencionado o nome de outros moradores do endereço informado”, ressalta a coordenadora substituta do Centro de Apoio ao Censo (CAC), Larissa Catalá. Segundo ela, durante os 13 dias em que o serviço estava disponível apenas no Piauí e em Sergipe, foram recebidas 114 ligações, das quais 95 se referiam a moradores não recenseados. Nesses casos, são abertos “chamados” para as equipes locais, para que entrem em contato com os moradores e agendem um dia para visitar o domicílio.


No dia 12 de dezembro, foram incluídos os estados de Alagoas e Rio Grande Norte e o atendimento aumentou. Na semana em que eram atendidos apenas os quatro estados, foram registrados 172 chamados, dos quais 155 se referiam a pessoas não recenseadas. “Com a abertura para diversos municípios do país no dia 19 de dezembro, foi possível atender 147 moradores até o dia 23, dos quais 142 ainda não tinham respondido o Censo. Então passamos de uma média de 10 atendimentos por dia (quando o serviço estava disponível para apenas dois estados) para aproximadamente 25 (quando o serviço estava disponível para quatro estados) e mais recentemente para quase 30 (quando o serviço foi disponibilizado para diversos municípios de diversos estados). Esperamos que as ligações aumentem bastante nas próximas semanas”, conclui Larissa.


Texto: Carlos Alberto Guimarães e Carmen Nery


Foto: Márcio Silva da Costa/Agência IBGE


 

 

 


Postar um comentário

0 Comentários